logo ceped

Notícias

09/05/2018

CEPED/PR leva brigadistas voluntários para uma expedição pelas ilhas da Baía de Paranaguá

Integrantes da equipe técnica-científica permanente e membros da brigada voluntária do Projeto ‘Estruturação, Implementação e Gerenciamento de uma base especializada no Resgate e na Despetrolização da fauna em caso de acidentes ambientais na área do Complexo Estuarino de Paranaguá (CEP)’, estiveram em Paranaguá para participar de uma visita técnica dividida em dois momentos.

  

No primeiro deles, a médica veterinária dra. Letícia Koproski e o biólogo Euclides Grando, junto com onze brigadistas voluntários e o pesquisador bolsista do CEPED-PR, o geógrafo Murilo Noli da Fonseca, participaram de uma expedição de barco pela Baía de Paranaguá, no litoral do Paraná. A atividade teve como objetivo principal fazer o reconhecimento de áreas do CEP atingidas por ocorrências de derramamento de petróleo. O trajeto foi traçado por áreas atingidas por óleo no desastre de 2004, registrado com o navio de bandeira chilena Vicuña.

 

ILHAS DA BAÍA DE PARANAGUÁ - A expedição que teve início em Paranaguá circundou as Ilhas Rasa e da Cotinga, passou pelo canal da Cotinga, e realizou uma parada técnica na Ilha das Cobras, com o apoio e autorização da Casa Militar do Governo do Estado do Paraná. Depois de margear a Vila Eufrasina, retornou a Paranaguá.

 

Durante o percurso, que teve duração de 5 horas, “o grupo registrou a fauna que avistava, para que fossem identificadas as principais espécies observadas. Enquanto realizavam a atividade, os brigadistas foram informados pelos pesquisadores sobre aspectos da fauna, da composição, da formação e da dinâmica da Baía de Paranaguá”, explica a dra. Letícia. A atividade teve duração de 12 horas.

 

O projeto foi firmado entre a Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), a Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Estadual do Paraná (FUNESPAR) e a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), sob a coordenação da profa. dra. Danyelle Stringari, diretora acadêmica do Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres do Estado do Paraná (CEPED/PR).


ATIVIDADES NA APPA - Na segunda etapa da visita técnica, foram realizadas uma visita orientada e um treinamento de integração, ambas nas dependências da APPA. Nesse dia, os membros da equipe técnica, a médica veterinária dra. Letícia Koproski, o biólogo Euclides Grando e o auxiliar técnico Leonardo Duda, além de treze brigadistas voluntários, realizaram atividades supervisionadas pelos integrantes da Diretoria de Meio Ambiente (DIRAMB) da Appa, Felipe Zacharias, Jaqueline Dittrich e Andrea Almeida.

 

A equipe visitou o prédio de prontidão de emergências da APPA e foi orientada pelo oceanógrafo, Me. André Wolinski. No local foram repassadas informações sobre equipamentos e técnicas utilizadas na resposta primária em casos de derrames de óleo, além de conhecimentos sobre o funcionamento da sala de comando de incidentes e de situação nos casos de desastres.

 

Realizou-se também o deslocamento pela faixa portuária para reconhecimento da estrutura e orientação no interior do porto, atividade guiada pelo chefe da Seção de Segurança e Medicina do Trabalho da DIRAMB, Felipe Zacharias. A equipe participou ainda do treinamento de integração sobre segurança do trabalho, meio ambiente e segurança patrimonial. “A integração foi ministrada por quatro profissionais que se revezaram, o que propiciou dinamismo as apresentações”, conta a médica veterinária. O evento teve duração de 3 horas.

 

Segundo a diretora acadêmica do CEPED/PR, Danyelle Stringari, a visita técnica teve como objetivos “o reconhecimento inicial das áreas e da fauna que podem ser atingidas por desastres ocorridos na CEP, a verificação da estrutura do prédio de prontidão ambiental, e a capacitação inicial da equipe para deslocamento e atuação segura na área da APPA”.

 

A partir da realização dessas atividades in loco evidenciou-se “a necessidade de mapeamentos detalhados dos acessos das diferentes ilhas com foco na mobilização e deslocamento das equipes de campo nos casos das ocorrências, bem como de levantamentos envolvendo as espécies faunísticas que abordem ocorrência sazonal das espécies e identificação das suas áreas de uso na CEP”, acrescenta a dra. Letícia Koproski.

 

 

Por Sara Carvalho, Assessoria de Comunicação CEPED/PR

Fonte: Relatório de Visita Técnica, elaborado pela médica veterinária Letícia Koproski

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.